#PortDay (Lisboa)

O início do Portday na GN Cellar…

…A passagem pela Garrafeira Nacional, com os Portos da Niepoort em destaque.

…e por fim o Rubro, com a prova de vários tipos de Porto, de novos a (muito) velhos

Belíssimo este Noval que fez as delicias de todos

Outro favorito, a confirmar a consistência dos LBV da Warre´s.

Um Porto de origem desconhecida de 1879. Com uma cor turva de café, nariz muito químico, com aromas de verniz, cola UHU e móveis velhos. Na boca desiludia, com pouca profundidade e com sabores químicos, muito amargo, a anunciar que já teve melhores dias. Abrir uma garrafa com esta idade gera sempre uma expectativa enorme e é sempre um momento alto de qualquer prova e esta não foi excepção.

O lado doce do Portday. Namoraram descaradamente com os Colheita e os LBV…

 …já os queijos deram-se melhor com os Vintage, entre eles um Cabrales potentíssimo que nos transportou para as alturas dos Picos da Europa

Isto foi no início da noite, não comecem a pensar coisas.

O Senior Tawny da Niepoort e a Garrafeira Nacional patrocinaram as bigodaças do Portday

Na passada sexta feira teve lugar a iniciativa #PortDay que acabou por ser um excelente motivo para se juntarem amantes do vinho do porto para uma noite de boa disposição e muitas provas.

A ideia tinha surgido por parte do Center for Wine Origins e teve como objectivo encorajar o consumo do Vinho do Porto genuíno e dessa forma proteger a sua designação de origem.
Em Portugal realizaram-se algumas (poucas) iniciativas. A que participei, organizada pelos Desafios da Adega, pelo Adegga e pela Garrafeira Nacional, propunha fazer um circuito de Vinho do Porto, começando com uma sessão de provas na GN Cellar, passando para uma segunda na Garrafeira Nacional e terminando a noite com uma terceira no Restaurante Rubro, aqui já na companhia de umas retemperadoras tapas.
Reparei que foi uma iniciativa que passou ao lado das instituições oficiais com responsabilidades sobre o Vinho do Porto. Tirando alguns (poucos) produtores que fizeram questão de se associar à data, o resto foi um enorme vazio. E é pena que não se tenha aproveitado de melhor forma uma iniciativa com estas características, numa altura em que são divulgados números que mostram o decréscimo do volume total de vendas de Porto em cerca de 4%. Ora com uma janela destas,  por pequena que possa ser, que nos dá a oportunidade de promover sem grandes investimentos a marca Vinho do Porto, ainda para mais no mercado americano onde a iniciativa teve mais eco, não será de aproveitar? E será a janela assim tão pequena?
Só no Twitter, em 24 horas, 1500 twitts com a hashtag #PortDay geraram 3,468,301 visualizações, chegando a 782,470 de seguidores. Se pensarmos que hoje, uma semana depois, continua a haver twitts sobre o tema, imagine-se o alcance da coisa.
Voltando ao Rubro. Fica para memória futura uma noite muito bem passada entre amigos e winelovers, na companhia de excelentes Portos e de conversas intermináveis e bem dispostas, onde de forma genuína e descontraída se promoveu o Vinho do Porto. Foi bom ver que a adesão ao evento não se limitou aos “maluquinhos do vinho” e pode-se ver pessoas de várias áreas e nacionalidades. Também foi bom ver muitos wine bloggers presentes.
Uma palavra de agradecimento para as equipas do Rubro, da GN Cellar e da Garrafeira Nacional, pela forma excepcional como nos receberam.
Nota : Todas as fotos por @dmatos
Outros artigos sobre o PortDay:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *