Restaurante A Lúria (Tomar)

Há restaurantes regionais que são verdadeiros bastiões da nossa gastronomia, lugares obrigatórios para os devotos de dar ao dente. E como qualquer lugar de culto, também eles alvo de romaria e peregrinação. A Lúria é um desses lugares, que terá sempre presença em qualquer lista, mesmo reduzida que seja, das grandes referências da restauração regional do nosso país. Apesar de já ser cliente há uns anos nunca tinha escrito nada sobre A Lúria, por isso hoje, à boleia da mais recente visita, faz-se justiça com esta singela publicação.

As opções da carta são deliciosas mas a verdade é que quando lá vou como quase sempre os mesmos pratos. As incontornáveis Cilercas, assadas e bem temperadas com alho e azeite, ou servidas com ovos mexidos, fazem sempre parte das escolhas entradeiras. Outra entrada que também é presença habitual são as petingas, que chegam com um molho de cebola a lembrar o escabeche que é de lamber os dedos. De seguida os inevitáveis Sável com Açorda de Ovas, preparado com precisão, com as postas fininhas, bem fritas e com as pequenas espinhas cozidas pela marinada, ou os famosos pratos de Lampreia, preparada a preceito, onde o arroz atinge a excelência. Prosseguindo pelas carnes temos o Magusto, que é um best seller, com pequenas peças de cabrito, vaca e porco, assadas no ponto e servidas com uma maravilhosa açorda de cilercas no pão. A Posta Mirandesa, não atingido a excelência das congéneres transmontanas, é muito recomendável e também um dos pratos de carne mais procurados. O Cabrito Assado e o Polvo Grelhado são outros dois pratos que fazem sucesso na Lúria mas que têm sido quase sempre preteridos pelos motivos acima mencionados. Para terminar, seria injusto não referir a excelênca das açordas, um verdadeiro hino a esta receita típica, que parece fácil mas que a Dona Fátima, a mestre dos tachos, interpreta como ninguém. Claro que tudo isto fica mais fácil quando se utilizam produtos frescos e de grande qualidade, como é o caso.

A complementar a cozinha temos na sala a mão experiente do Sr Francisco, o dono disto tudo, que assume um serviço tranquilo e profissional. A oferta vínica tem melhorado com os anos e hoje, com boas e variadas referências, está ao nível da excelência gastronómica. A parte menos explorada da carta são as sobremesas, pois quando chega a sua altura já não há espaço para mais uma migalha. No final paga-se cerca de 20€, sem vinho, o que tendo em conta a qualidade e quantidade do que se come não deixa de ser um valor quase simbólico. Longa vida para A Lúria, que nos continue a receber como um lugar de felicidade e bem comer.

Tags

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *