Novas Colheitas Torre do Frade

A família gestora do projecto Torre do Frade recebeu há dias a imprensa e a blogosfera para a apresentação das novas colheitas de 2011 dos seus vinhos brancos. O evento contou com a presença do enólogo Paulo Laureano.

O local escolhido foi o novíssimo restaurante da Carnalentejana em Lisboa, associação a que este produtor também pertence, pois as produções desta Sociedade Agrícola vão muito para além do vinho, produzindo também carne alentejana certificada, mel, cereais, cortiça, etc…

Nos vinhos, o destaque foi para o irmão mais novo da família Virgo. O Virgo Branco (nota pessoal 16+), vestido com a mesma irreverência do mano tinto, foi produzido com as castas Arinto, Viognier e Antão Vaz e estagiou em depósitos de inox. Mostrou-se muito fresco e jovem, com uma excelente acidez a fazer lembrar esplanadas de praia e ameijoas à bolhão pato.

O outro branco, 100% Viognier (nota pessoal 16), estagiou 5 meses em barricas e mostra-se um vinho com mais estrutura que parece só ter a melhorar com algum tempo em garrafa. Apesar de muito longe dos grandes Condrieu, não deixa de ser um belo exemplar alentejano da casta.

Apesar da tarde ser dos brancos, não podia deixar passar a oportunidade de voltar a provar as colheitas tinto, nomeadamente o Virgo Tinto 2010 (nota pessoal 16,5-) e o Torre do Frade do Frade Reserva 2006 (nota pessoal 16,5).

Falar da Torre do Frade e não destacar a irreverencia dos rótulos dos vinhos Virgo é de uma injustiça que não quero incorrer. O conceito passa por um rótulo branco, personalizável e destacável, que nos convida a imortalizar o momento do consumo. Um exemplo de como valorizar e afirmar uma marca num mercado muito competitivo, onde detalhes como este podem fazer a diferença. De realçar que as ilustrações deste Virgo branco são da responsabilidade dos consumidores da versão tinto, que contribuíram com as suas experiências através do rótulo destacável.

Para acompanhar a degustação dos vinhos foram servidos alguns petiscos, elaborados como não podia deixar de ser, com a carne da Carnalentejana, como por exemplo o carpaccio de vitela e parmesão, ou as espetadas de salsicha de vitela. Pratos que fazem parte da carta deste novo restaurante, que serviram de aperitivo do trabalho do Chef José Bengaló (Cantina LX e ex Alcantara Café), que fiquei curioso de conhecer melhor numa próxima oportunidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *