O Estranxeiro da Ribeira Sacra

Fui alertado pelo camarada de armas, Nélson “Tascuela” Moleiro, grande aficcionado dos vinhos de nuestros hermanos, que o Eulogio Pomares estava a embarcar numa nova aventura pela Ribeira Sacra e já havia vinhos prontos para conhecer. Oh diacho, isso é coisa para ser bom, pensei eu. Como gosto muito dos vinhos do Eulogio Pomares nas Rías Baixas, fiquei de imediato com as expectativas ao alto, mas a verdade é que fiquei um pouquinho desiludido. Passo a explicar…

O Estranxeiro é a nova marca da Fento Wines na Ribeira Sacra. A Fento Wines é o projecto de Eulogio Pomares e da sua esposa Rebeca Montero para os vinhos de “negociant” em que colaboram com outros produtores, ou a partir de vinhas que não são suas. Do O Estranxeiro foram lançados dois vinhos, um branco e um tinto, ambos de 2019. Os rótulos são iguais, apenas o do tinto tem uma ligeira coloração mais rosada, o que para quem troca branco por tinto pode ser um problema. O branco é um lote de 80% de Godello, temperado com Albarino e Treixadura e o tinto é um monovarietal de Mencía fermentado e estagiado durante 7 meses em grandes toneis de madeira. As vinhas estão situadas um pouco a norte de Ourense, a caminho de Lugo, encontrando-se algumas parcelas, especialmente de Mencía, junto ao Rio Minho.

O Estranxeiro Branco, que fez um estágio sur lies de 6 meses em inox, é um vinho jovem, airoso, de perfil mainstream, com a fruta limpa, onde sobressaem os citrinos maduros, a fruta branca e aromas mais fragantes de ervas aromáticas. Na boca, apesar de alguma estrutura, é elegante, com uma boa acidez que equilibra o conjunto. Onde é que está aquele nervo dos brancos de Eulogio Pomares? O tinto é um Mencía fiel à casta, também num estilo jovem e frutado, com fruta preta, notas florais e as habituais e refrescantes sensações vegetais. A barrica está muito bem colocada, sem se impor, num conjunto com corpo, de tanino ligeiro e com uma boa acidez que lhe prolonga o final.

Sem pontas soltas nem acordes fora do tom, é impossível não gostar destes vinhos. Mas quando procuramos em vinhos estrangeiros uma diversidade e carácter diferente dos nossos, então talvez estes O Estranxeiro não sejam as referências ideais. Dentro deste registo, temos muita coisa em Portugal. Há que ter em conta que estamos a falar apenas da primeira colheita destes vinhos, sendo provavel que o estilo se vá afinando com o tempo. Custam cerca de 15€ e podem encontrar-se com facilidade nas lojas online espanholas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *